Jornal Impresso

Racha e intervenção marcam convenção do PSDB; sob Tasso, sigla vai apoiar Roberto

Em dia tenso para o tucanato cearense, o partido resolveu marchar com o PDT-CE. Antes, em agitado encontro da legenda, houve idas e voltas sobre os rumos do partido, que culminaram com a destituição do então presidente, Chiquinho Feitosa

O presidente do Cidadania e o candidato Roberto Cláudio / Reprodução

Márcia Feitosa
politica@ootimista.com.br

Após desentendimentos, durante a convenção estadual do PSDB e Cidadania, sobre o apoio do grupo à candidatura de Roberto Cláudio (PDT) ao Governo do Estado, a Executiva Nacional, presidida por Bruno Araújo (PE), destituiu Chiquinho Feitosa da presidência da sigla no Ceará. O senador Tasso Jereissati foi conduzido ao posto.

A resolução foi publicada após Feitosa anunciar, em suas redes sociais, que o Diretório Estadual da federação havia votado em favor de uma posição de neutralidade no próximo pleito. A direção nacional da federação interveio e optou pela manutenção da aliança com o PDT.

O novo diretório, nomeado após o entrevero, reiniciou os procedimentos da convenção, anulando os atos anteriores. A coligação foi homologada pelos membros recém-nomeados, no prédio da Assembleia Legislativa do Ceará (ALCE). Neste momento, Chiquinho Feitosa já não estava presente.

Sem previsão
A votação sobre um possível recuo da aliança com o PDT não estava prevista para a convenção. Conforme interlocutores, a manobra teria sido pensada por Chiquinho Feitosa, que lidera uma ala pró-Camilo dentro do PSDB. Quando os tucanos ainda estavam sendo disputados entre os grupos que se formaram, após a ruptura do PT com o PDT, Feitosa chegou a ser cotado como suplente ao Senado, na chapa de Camilo.

As tratativas não deram resultados, mesmo o próprio ex-presidente Lula se envolvendo e falando com o senador Tasso Jereissati (PSDB) sobre a possibilidade de estarem no mesmo palanque, no Ceará. O tucano resolveu tornar público seu apoio ao grupo pedetista em uma nota divulgada em suas redes sociais, no dia 1º de agosto.

Tasso havia afirmado que o PSDB marcharia com Roberto Cláudio “em coerência com o nosso legado de realizações” e por reconhecer no candidato “a competência, a experiência administrativa e o compromisso com esses ideais”.

“Desgaste desnecessário”

O vice-presidente da federação do PSDB- Cidadania, Alexandre Pereira, disse que a votação do diretório tucano, na tentativa de dissuadir o apoio do grupo à candidatura de Roberto Cláudio, foi um “constrangimento e desgaste desnecessário”.

O presidente do Cidadania-CE conversou com O Otimista e disse que “o mais importante é confirmar que nós vamos nos coligar com o PDT”. “Essa decisão já tinha sido tomada e foi amplamente discutida dentro dos partidos”, disse Pereira.

“Enganados”
O presidente do partido disse que o Cidadania e o “PSDB histórico” foram enganados, mas não respondeu por quem. “Eu estava indo pegar o Moroni Torgan, para a convenção que estava marcada para às 17h, quando soube que eles tinham começado a convenção às 16h e iniciado essa votação, de forma sorrateira”, afirmou.

Alexandre Pereira afirma que não sabe o que se deu no PSDB para que o tema fosse colocado em votação e declarou que não se posicionaria sobre “uma questão delicada de outro partido”.

O atual secretário de Turismo de Fortaleza disse, também, que existe “uma história de luta que não poderia ser desprezada”, diante do atual contexto político do Estado.

“Chiquinho queria ser o primeiro suplente [de Camilo], mas havia uma conjuntura anterior e quando o PT lançou um candidato próprio essa possibilidade deixou de existir. Nós [Cidadania] não poderíamos votar em Lula, existe um alinhamento nacional nosso. Nós apoiaremos Simone Tebet, Ciro Gomes, as terceiras vias”, afirmou.

A reportagem tentou falar com Chiquinho Feitosa, mas as ligações não foram atendidas.

Deixe uma resposta

Compartilhe

VEJA OUTRAS NOTÍCIAS