Jornal Impresso

Pelo menos nove partidos deixaram para esta segunda discussão sobre MP da Eletrobras

Líderes e vices do Republicanos, PL, MDB, Pode, PSL, Novo, PTB, PSDB e PSB na Câmara afirmaram ao O Otimista que vão decidir logo mais a votação de cada sigla. PSDB e PSB, contudo, tendem a votar contra. Cinco partidos fecharam consenso para votar contra a medida

Kelly Hekally
kellyhekally@ootimista.com.br

Câmara dos Deputados (Foto: Agência Brasil)

Pelo menos nove partidos deixaram para esta segunda-feira (21) a discussão sobre a MP da Eletrobras, prevista para ocorrer logo mais, às 15 horas, remotamente, na Câmara dos Deputados. A MP expira nesta terça-feira (22).

Líderes e vice-líderes do PSDB, PSB, Republicanos, PL, MDB, Pode, PSL, Novo e PTB consultados pelo O Otimista ontem (20) afirmaram que não haviam realizado diálogos institucionais após a proposta voltar do Senado – onde foi aprovada com a diferença de cinco votos – à Casa e que a discussão vai ocorrer, basicamente, em torno de três pontos: as mudanças realizadas pelo Senado; os jabutis, matérias adensadas à proposições legislativas que não se relacionam com o objetivo em discussão; e se haverá liberação para os deputados votarem individualmente.

Todos os parlamentares do PDT, PT, PV, PSOL e PCdoB vão votar contra a MP, afirmaram à reportagem líderes das siglas, por considerarem, sobretudo, inapropriada a privatização da Eletrobras e que a medida traz ônus direto ao consumidor. PP, DEM, Pros, PSD, Solidariedade, PSC, Avante, Cidadania, Patriota e Rede não atenderam às ligações e nem responderam às mensagens. Este último, contudo, a exemplo da votação anterior da MP na Câmara, deve seguir a oposição.

“Todos os especialistas dizem que vai aumentar a conta final. Vejo a aprovação ou não da MP na Câmara ainda como uma dúvida”, opina o deputado federal Bismark Maia (PDT/CE). “Estamos entregando uma área estratégica para a iniciativa privada. As regras estão sendo estabelecidas de maneira a tranferir todos os prejuizos para o consumidor. Vamos judicializar caso seja aprovada”, acrescenta José Guimarães (PT/CE).

O deputado Danilo Forte (PSDB/CE) afirma que é a favor da privatização, mas que a maneira como o texto da MP está consolidado irá impedi-lo de votar nesse sentido. Líder do PL/PB, Wellington Roberto pontua que, apesar da discussão estar prevista entre correligionários para hoje, a decisão deve ser no sentido de votar a favor da MP.

O deputado Rafael Motta (PSB/RN), por outro lado, disse que embora o diálogo tenha ficado para logo mais, já há consenso mínimo no sentido de a sigla votar contra a MP, que precisa ser aprovada por maioria absoluta para seguir no ordenamento juríco, passando à condição de lei federal.

Deixe uma resposta

Compartilhe

VEJA OUTRAS NOTÍCIAS