Política

Como a alta da popularidade de Bolsonaro pode impactar a campanha eleitoral em Fortaleza

A aprovação (ótimo/bom) do governo Jair Bolsonaro subiu para 40%, de acordo com pesquisa do Ibope divulgada ontem (24). Trata-se do maior percentual desde o início de seu mandato. Em dezembro passado, esse índice estava em 29%.

Veja alguns impactos da alta de popularidade de Bolsonaro nas eleições de Fortaleza:

Cenário fora do radar de especialistas há até poucos meses, os índices do Ibope a favor de Jair Bolsonaro têm potencial de não somente mudar os prognósticos sobre a disputa de novembro como também alterar as estratégias eleitorais.

Em Fortaleza, por exemplo, onde os principais grupos políticos se organizaram em dois grandes eixos – bolsonaristas e antibolsonaristas -, o impacto na sucessão do prefeito Roberto Cláudio (PDT) pode ser imediata.

O candidato Capitão Wagner (Pros) vinha numa posição dúbia sobre colar ou não sua imagem ao presidente da República. Agora, pode ver nos números do Ibope mais bônus do que ônus para seu palanque.

José Sarto (PDT), candidato apoiado pelo grupo dos Ferreira Gomes, que vinha enfatizando o discurso do antibolsonarismo na Capital, poderá ter de, no mínimo, calibrar melhor a avaliação de um governo que tem 40% de ótimo/bom.

No PT, onde a candidata Luizianne Lins vai à campanha apostando no antibolsonarismo e anticirismo, o novo patamar de aprovação do presidente da República a coloca em uma encruzilhada: ajustar o discurso ou radicalizar.

Já o candidato Heitor Freire (PSL), bolsonarista assumido (apesar de rusgas passadas com o presidente), não deve ter dificuldades em ajustar o discurso. Pelo contrário. Poderá simplesmente ampliar a defesa do presidente da República, algo que ele já fazia quando Bolsonaro ainda era visto como alguém que mais desagrega do que contribui para angariar votos.

Deixe uma resposta

Compartilhe

VEJA OUTRAS NOTÍCIAS