Colunista

A força política do veterano Roberto Pessoa – por Erivaldo Carvalho

Prefeito é pré-candidato a quarto mandato / Reprodução

A megaestrutura e a cidade cenográfica do já tradicional São João de Maracanaú, um dos maiores do País, reflete a força política e econômica do município de apenas 41 anos de emancipação.

Sede do principal polo industrial do Ceará, Maracanaú tem o segundo maior PIB do Estado – atrás somente de Fortaleza. Já a importância política deve-se ao prefeito Roberto Pessoa (União Brasil).

O peso do veterano chefe do Executivo – está no terceiro mandato e é pré-candidato à provável reeleição, em 2024 – vai além dos limites do município.

Somente na Região Metropolitana de Fortaleza, Roberto Pessoa terá influência em pelo menos outras cinco cidades.

Em Fortaleza, Roberto apoiará a futura candidatura de Capitão Wagner (União Brasil); na disputa de Caucaia, apoiará a prima Emília Pessoa (PSDB); na também vizinha Maranguape, subirá no palanque de Lucílvio Girão (PSD).

No município de Pacatuba, Roberto Pessoa apoiará Larissa Camurça, mulher do ex-prefeito de Maracanaú e deputado estadual Firmo Camurça – aliado de Roberto.

Também haverá influência do prefeito de Maracanaú em Palmácia, além de em vários municípios do Interior do Estado – particularmente, na Região do Cariri.

 

O “histórico” e curioso acordo do prefeito com o PT

Vanderlange é irmã de Wagner

Definido como “histórico”, o acordo que levou o PT a apoiar a pré-candidatura à reeleição de Roberto Pessoa também é curioso.

Pré-candidato em Fortaleza, Capitão Wagner (União Brasil), arquirrival do PT na Capital, foi secretário da saúde de Roberto.

Muito indica, contudo, que segue a aliança entre os dois – como mostra a permanência na pasta municipal ocupada por Wagner de sua irmã, Vanderlange de Sousa Gomes.

Relação PT-Roberto deve ficar circunscrita a Maracanaú. Ou não?

 

Menos debates, mais likes
Os políticos se entregaram de vez aos modismos das redes sociais.

Faz parte e é bom que a dinâmica da vida pública incorpore tendências de seu tempo.

O problema é quando a busca por engajamento fácil força a lacração em debates, deixando-os superficiais.

No Congresso Nacional, por exemplo, a pressa em rotular matérias ganhou caráter de urgência. Taxa das Blusinhas, PEC das Praias, PL do Aborto e por aí vai.

A gloriosa imprensa deveria cobrar mais conteúdo em vez de endossar apelidos?

Depende. Isso vai gerar quantos likes nos portais de notícias?

 

Lula lá
O Itamaraty acertou em inserir Inteligência Artificial (AI) no cardápio do presidente Lula para o G7.

Embora não seja a pauta principal – e sim guerra na Ucrânia, imigração, avanço da extrema direita na Europa, China etc -, IA está na moda.

E é melhor do que os costumeiros assuntos paroquiais do Brasil, que só deixam a plateia mais sonolenta.

 

VSM, 35 anos
A Alece promove, nesta segunda-feira (17), às 17h, sessão solene alusiva aos 35 anos da VSM Comunicação.

Na ocasião, o empresário Lauro Fiúza Júnior, fundador do Grupo Servtec, falará sobre a relevância da comunicação na implantação das energias renováveis no Ceará.

A sessão foi requerida pelo presidente Evandro Leitão (PT).

 

“Conselheiro dos conselheiros”

Alexandre Figueiredo foi nomeado por Tasso

O Tribunal de Contas do Estado (TCE) perdeu, neste final de semana, um de seus integrantes mais ilustres.

Mais do que decano da Casa, o conselheiro Alexandre Figueiredo era um homem de espírito público, como poucos da história recente do Estado.

Secretário estadual no governo Ciro Gomes, Alexandre foi nomeado para o TCE por Tasso Jereissati em junho de 1995, após indicação da Assembleia Legislativa.

No tribunal, Alexandre era “conselheiro dos conselheiros”, como confidenciou, à Coluna, um ex-integrante da Corte de Contas.

Preparado e respeitado, Alexandre exercia as funções no TCE com maestria, longe dos jogos de interesse que, como sabemos, rondam os bastidores do poder.

 

Deixe uma resposta

Compartilhe

VEJA OUTRAS NOTÍCIAS