Panorama

Tóquio 2020: Shelly-Ann Fraser-Pryce voa nas pistas após ser mãe

A carreira da atleta mulher muitas vezes se vê afetada após a maternidade, mas não foi isso o que aconteceu com jamaicana Shelly-Ann Fraser-Pryce, 34. Muito pelo contrário. Campeã olímpica dos 100m rasos em Pequim-2008 e Londres-2012, além de bronze na Rio-2016, ela fez a distância no mês passado em 10s63, o melhor tempo da prova nos últimos 32 anos, o que a torna ainda mais favorita ao tricampeonato.

Ela é agora a segunda mais rápida de todos os tempos, atrás apenas da americana Florence Griffith-Joyner, recordista mundial que fez 10s49, 10s61 e 10s62 em provas disputadas em 1988. Antes de o filho Zyon nascer, em 2017, o melhor tempo de Shelly-Ann havia sido 10s70, conquistado em 2012, em seu país. Desde então, seus melhores tempos foram 10s98 em 2018, 10s71 em 2019 e agora 10s63.

Suas principais concorrentes ao topo de pódio em Tóquio eram a compatriota Elaine Thompson-Herah (10s71) e a norte-americana Sha’Carri Richardson (10s72), mas a segunda foi pega no exame antidoping com a substância THC (maconha), e foi suspensa. Então, a Pequeno Foguete, como é chamada, tem apenas a companheira de treinos no retrovisor.

Shelly-Ann também tem tudo para aumentar sua galeria de conquistas. Além das três medalhas nos 100m rasos, ela também já soma uma prata nos 200m (Londres-2012) e outras duas pratas no 4x100m, em Londres-2012 e Rio-2016. Em Campeonatos Mundiais, são 9 ouros, 4 deles na disputa dos 100m rasos. No Japão, certamente subirá mais de uma vez ao pódio. Para felicidade de Zyon. (Folhapress)

Deixe uma resposta

Compartilhe

VEJA OUTRAS NOTÍCIAS