Opinião

População exige solução para vacina e pressiona governos a resolverem a compra – Roberto Moreira

Vacina, solução duradoura, tem de chegar o mais rapidamente possível (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

A população brasileira está cansando e, praticamente, perdeu a paciência com gestores públicos que se apresentam sem condições de resolver a pandemia de coronavírus.

Nessa nova fase ou segunda onda da pandemia, o coronavírus está contaminando em grande velocidade, provocando desespero nas famílias e lotando hospitais. Estamos em tempos difíceis, com doentes demais para pouca estrutura de atendimento. Gestores dizem não ter condições de atender à demanda de pacientes, nas redes pública e privada.

O isolamento social rígido ou lockdown tem sido a única saída para tentar manter uma linha de segurança capaz de reduzir a circulação do vírus e garantir o atendimento aos infectados. A medida afeta diretamente a vida das pessoas. Os empresários demitem, os profissionais de saúde estão no limite e a doença avança ainda mais sobre todos. Não está fácil para a população esperar.

A vacina é a única saída. Prefeitos e governadores pressionam o Supremo Tribunal Federal, o Congresso Nacional e o governo federal para encontrar uma forma urgente de imunizar a população. O jogo político ainda não resolvido prejudica um resultado a curto prazo. A chegada de um quarto ministro da Saúde demonstra o grau de dificuldade para se resolver o caos em que se tornou a pandemia da Covid-19 no território brasileiro. Estamos chegando a 300 mil mortos, um número que coloca o país em situação vexatória perante o Mundo.

Praticamente engessados, prefeitos e governadores são pressionados a agir para buscar soluções. Há exatamente um ano, a população convive com medidas restritivas. A sequência de alterações nas rotinas provoca tensões, depressão nas pessoas. Afeta suas vidas. O desemprego é o mais preocupante dos sintomas. Os empresários não aceitam financiar trabalhador em casa. Acham que essa conta é do governo. Está difícil.

Travando uma discussão no âmbito comunitário, deve-se ressaltar o tamanho do sofrimento das famílias. Crianças presas em casa, falta de dinheiro para suprir as necessidades como alimentação, evitar familiares, tratar os doentes e o pior: ver parentes e vizinhos desaparecem como se fossem abduzidos.

É justo todo cidadão pressionar o poder público por uma solução urgente para o problema que enfrentamos. A vacina tem que chegar logo. A velocidade da contaminação pelo coronavírus está bem mais acelerada que os diálogos mantidos nos gabinetes do poder em Brasília. Principalmente, em relação à chegada junto aos principais atores: os donos dos laboratórios que fornecem a vacina. Fica o alerta: a população está perdendo a paciência, entrando na fase no desespero. Isso, sim, preocupa.

Fecomércio

Maurício Filizola é habilidoso negociador. Conseguiu um canal com o governador Camilo Santana, para apresentar um Plano de Retomada para o comércio e o setor de serviços. Vai conseguir reabrir algumas atividades, após diálogo com o Comitê de Combate ao Coronavírus, que tem representantes de todas as áreas, inclusive, da economia.

BNB em alta

Os bons resultados da administração de Romildo Rolim no comando do Banco do Nordeste foram ressaltados na reunião da bancada federal nordestina. Um dos fatores do elogio foi o atendimento do banco, de forma isonômica, em todos os Estados. Em outras gestões, o BNB era visto como um reduto muito cearense.

Cid: Pazuello é “destrambelhado”

O senador Cid Gomes (PDT) afirmou que a nomeação de um quarto ministro da Saúde é a prova da “incompetência do governo Bolsonaro”. Segundo ele, o “general destrambelhado deixa o governo, depois de 280 mil mortes, manchando, também, o nome do Exército”. Pegou pesado.

Roberto Cláudio cursa política comunitária

O ex-prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio, estará de volta ao Ceará, em julho. Matriculado no pós-doutorado da Fundação Getúlio Vargas em São Paulo, onde está morando, é aluno do maior especialista no tema: Nelson Marrone, responsável pelo Plano de Governo do pré-candidato a presidente da República, Ciro Gomes. Perguntamos sobre projeto político, Roberto Cláudio respondeu: “Primeiro, nos unir e combater a pandemia, lutando pela vacina”.

Estilo Camilo

O novo ministro da Saúde, Marcelo Queiroga (Foto: Fábio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)

Após desejar boa forte ao médico Marcelo Queiroga, novo ministro da Saúde, o governador Camilo Santana cobrou a compra urgente de vacinas. “Espero que agilize a imunização urgente dos cearenses”, ponderou. Camilo quer ser liberado do Plano Nacional de Imunização, para comprar sete milhões de doses da vacina Sputinik V.

Deixe uma resposta

Compartilhe

VEJA OUTRAS NOTÍCIAS