Opinião

Nacionalização da disputa favorece Sarto – PC Norões

Conversa daqui, conversa dali, e o PDT conseguiu atrair para a candidatura de José Sarto todos os candidatos e/ou partidos derrotados no primeiro turno. Só o PSL e seu candidato/presidente Heitor Freire decidiram que não vão apoiar ninguém.

Luizianne Lins e Heitor Férrer também anunciaram neutralidade, mas tanto o PT quanto o Solidariedade formalizaram apoio ao candidato pedetista. Assim como PV (Célio Studart), PCdoB (Professor Anízio), Psol (Renato Roseno), Patriotas (Samuel Braga) e PCO (Paula Colares). Todos com um discurso comum: impedir o avanço do bolsonarismo no Nordeste, em particular Fortaleza.

A estratégia do PDT de explorar a vinculação do Capitão Wagner com a figura de Bolsonaro, que já vem sendo usada desde o início da campanha, foi reforçada pela rejeição ao presidente retratada em todas as pesquisas realizadas em Fortaleza.

Ciente dessa rejeição, o senador Eduardo Girão (Pode), coordenador da campanha de Wagner, chamou a imprensa para lembrar que o Capitão é independente e até votou contra a Reforma da Previdência, de interesse do Governo Federal. Mas o fato de Wagner ter se assumido candidato de Bolsonaro, após o presidente declarar publicamente apoio a ele, durante o primeiro turno, dificulta a desvinculação.

O segundo turno é tiro curto: só duas semanas. Uma já foi, e a discussão de propostas perdeu feio para a nacionalização da disputa. Será que na semana decisiva será diferente? Dificilmente.

Conversando
A presença de Ciro Gomes na reunião do governador Camilo Santana com o presidente da Câmara Federal, Rodrigo Maia, no Abolição, reforça o bom relacionamento entre o presidenciável pedetista e os membros do Democratas. Já na campanha de 2018, Ciro chegou a costurar uma aliança em torno de sua candidatura, mas o DEM acabou fechando apoio ao tucano Geraldo Alckmin. De lá para cá, Ciro tem conversado bastante com o prefeito de Salvador, ACM Neto. Ambos já se declararam simpáticos a uma composição de centro-esquerda PDT/DEM, com Rodrigo Maia na vice de Ciro.

Triste legado
A covid-19 pode deixar mais um triste legado para o País. Por conta da pandemia, a queda na produção de exames para diagnóstico da retinopatia diabética pode atrasar o início de processos terapêuticos. Com isso, o número de cegos no Brasil pode aumentar no futuro. Essa possibilidade foi constatada pelo CBO, com base em dados do SUS.

Animal na causa
A ONG Proteção Animal Mundial está fazendo neste sábado (21) um grande movimento nas redes pedindo o fim do comércio legal e ilegal de animais. Desde outubro, a ONG tem realizado uma série de ações para pedir que o Governo Federal abrace a causa. Durante a reunião do G-20, que também ocorre hoje, a entidade vai solicitar que os líderes mundiais se comprometam com a proibição.

Música intinerante
Pop, MPB e clássicos da música internacional estão no repertório do pianista Felipe Adjafre em mais uma edição do projeto Pôr do Sol de Fortaleza, neste domingo (22). Adjafre estará acompanhado dos músicos Bruno Calaça, Philipe Dantas e Juliana Barreto. Para atender os protocolos de segurança, o Pôr do Sol passou a acontecer quinzenalmente e virou intinerante. O show acontece em cima de um caminhão-palco, que trafega por toda a avenida Beira Mar. Programa imperdível!

Fora da lista
Na contramão de países desenvolvidos como Estados Unidos, França, Inglaterra, Espanha, Portugal, Japão e Rússia, e até os em desenvolvimento, como Argentina e México, a ANS decidiu não recomendar a inclusão da Hemodiafiltração On-line – terapia para tratar doentes renais crônicos cujos rins pararam de funcionar – no rol dos procedimentos a serem obrigatoriamente ofertados por planos de saúde a partir de 2021. A decisão final virá após consulta pública que está aberta até este sábado (21). Na Europa, já são 20% dos pacientes tratando-se desta forma; com destaque para Portugal, onde 60% dos pacientes que dialisam fazem por hemodiafiltração. No Japão, quase 100%.

Deixe uma resposta

Compartilhe

VEJA OUTRAS NOTÍCIAS