Opinião

Com quadro indefinido, Fortaleza vive sob apreensão das pesquisas – Erivaldo Carvalho

A menos de três semanas do resultado do primeiro turno eleitoral, não dá para dizer que entramos no momento decisivo da campanha. Com raríssimas exceções, o período crítico é, sempre, o trecho depois da última curva, na cabeceira da reta final. Ou seja, a poucos dias da votação. Particularmente, em Fortaleza, onde o quadro, na cotação do dia, sugere que o próximo prefeito sairá do trio que vem pontuando em dois dígitos nas pesquisas de intenção de voto desde o início: Capitão Wagner (Pros), Luizianne Lins (PT) e José Sarto (PDT). E só. Nem a dupla que irá ao segundo turno dá para cravar.

São três grupos experientes, estruturados, com talentos políticos em cada um deles muito acima da média, com líderes nacionais consolidados e conhecedores do tabuleiro do jogo. Além de – não menos importante -, se conhecerem de verões passados. Mesmo isso considerado, porém, esta semana vem com a expectativa de apreensão, por conta de mais uma rodada de pesquisas. No caso, Datafolha e Instituto Paraná. Estaremos diante de um divisor de águas, porque, para muito além da “fotografia do momento”, será possível comparar índices com a mesma metodologia, com tendências e movimentos. Tremei.

Pela cultura do empreendedorismo
Há iniciativas que valem uma vida, e ações políticas que valem um mandato. Alunos do Ensino Médio de
todas as escolas públicas do Ceará passarão a ter disciplina de empreendedorismo em sua grade escolar. A iniciativa, da lavra do deputado estadual Tadeu Oliveira (PSB), foi aprovada semana passada, na Assembleia Legislativa. Agora, vai à sanção do governador Camilo Santana (PT).

Mais um cearense no CNJ
O meio jurídico cearense conta as horas para a votação, nesta terça-feira (27), na Câmara dos Deputados, da indicação para a vaga a ser aberta no Conselho Nacional de Justiça (CNJ). O posto, via acordo, deverá ser ocupado por Mário Maia, filho do ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Napoleão Nunes Maia. O Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) também terá uma cadeira desocupada. Deverá sentar nela o professor da Universidade de São Paulo (USP), Otávio Luiz. Posse será em 2021.

Enquanto isso, no Senado da República
Houve batida da Polícia Federal (PF), as flagrantes e constrangedoras cenas que já entraram para os anais – sem trocadilho -, do anedotário político, repercussão nacional e tudo mais a que tinha direito o caso do agora senador licenciado Chico Rodrigues (DEM-RR). Porém, a passos de tartaruga, o Senado vai ganhando tempo, para esquecer o escândalo em algum escaninho do Conselho de Ética.

Deixe uma resposta

Compartilhe

VEJA OUTRAS NOTÍCIAS