Jornal Impresso

Smart Construction: Indústria 4.0 aplicada à construção civil

O advento da Indústria 4.0 tem gerado mudanças significativas em diversas partes do globo neste início do século XXI.  Suas características foram disseminadas a partir de 2011 na feira industrial de Hannover, na Alemanha e, desde então, têm ganhado cada vez mais força em diversos ramos do setor industrial. A indústria da construção civil começa a receber reflexos deste movimento e deverá sofrer mudanças profundas nas próximas décadas para tornar-se o que poderá chamar Smart Construction ou Construção Inteligente.

No Brasil, diversas empresas já atentaram para este contexto e buscam adaptar-se a ele. O Governo Federal e as universidades, ainda que timidamente, têm procurado estudar o assunto e promover sua disseminação, como forma de as indústrias brasileiras ganharem melhor produtividade a partir da otimização de seus processos pelo emprego das ferramentas avançadas advindas da 4ª revolução industrial. A Indústria da Construção Civil não foge a esta regra e procura acompanhar a evolução das tecnologias em diversos aspectos. O setor tem despertado para a adoção de sistemas de gestão mais eficientes e que são base para a implementação da indústria 4.0, como é o caso do Lean Construction. Sistemas computacionais de última geração, que combinam o processo de projeto ao de planejamento, controle, execução e até manutenção das edificações, já se fazem presentes nos canteiros de obra. É a chamada tecnologia BIM – Building Information Moduling. O uso da computação na nuvem para o armazenamento e compartilhamento de dados de projeto, simulações das obras em gráficos ciber-físicos, emprego de realidade virtual, maquetes eletrônicas extremamente realistas e drones que captam dados da obra são realidade em diversos empreendimentos. Nas edificações já é possível contar com sistemas integrados de instalações prediais.

Os profissionais que atuam no ramo e os usuários das edificações deverão adaptar-se às mudanças vindouras. O grau de tecnologia a ser alcançado até o final da primeira metade do século XXI deverá proporcionar ao mundo a obtenção definitiva da Smart Construction. Caberá aos governos, universidades, empresas e à sociedade em geral reverter estes avanços para o alcance de um maior desenvolvimento social, com a democratização do acesso às tecnologias empregadas na construção.

José Márcio Monteiro é coordenador do curso de Engenharia de Produção e da Pós-Graduação em Engenharia de Processos da Unifametro Maracanaú

Deixe uma resposta

Compartilhe

VEJA OUTRAS NOTÍCIAS