Economia

Setores aguardam para amanhã decisão sobre a retomada das atividades

Propostas já foram enviadas ao governador Camilo Santana pelo comitê multisetorial do qual fazem parte setores como eventos e bares. Segundo secretário de saúde, instituições de ensino poderão retomar as aulas presenciais em setembro

Redação O Otimista
redacao@ootimista.com.br

O governador Camilo Santana irá avaliar sobre a retomada de setores da economia ainda paralisados durante a pandemia. Uma das propostas já enviada ao executivo estadual pelo comitê formado por setores da economia diz respeito à retomada gradual em quatro fases do setor de eventos, divididos em fase de transição, 1, 2 e 3. Caso aprovado, o faseamento fará parte do novo decreto estadual, substituindo o atual válido até o domingo (30).
De acordo com Maia Júnior, secretário do Desenvolvimento Econômico e Trabalho do Ceará (Sedet), a decisão vai respeitar critérios técnicos, sanitários e epidemiológicos, já que as atividades são consideradas de maior risco, por promoverem aglomerações. “O processo em curso é gradativo e prudente, para evitar retrocesso na retomada das atividades econômicas”, ressalta.
A expectativa do setor hoteleiro e de eventos é a retomada dos eventos culturais e corporativos de menor porte. De acordo com a proposta, na fase de transição (que irá durar sete dias), serão liberados a funcionar espaços privativos para até 100 convidados; sem entretenimento e com funcionamento até às 23 horas, além de capacidade respeitada de uma pessoa a cada 12 metros quadrados.
A fase 1 deverá respeitar a capacidade de 1 pessoa por 7m² em eventos corporativos e 1 pessoa por 12m² para demais eventos; a fase 2 contemplará, além do já estipulado na fase 1, os eventos em ambientes externos limitados a até 300 pessoas.

Última fase
A expectativa do setor é de que até outubro se chegue à fase 3, com a autorização de realização de eventos em ambientes internos, com limite de até 300 pessoas, com mesma capacidade da Fase 2 e em ambientes externos com limite de até 1.000 pessoas. “Temos expectativa melhor para setembro. Vemos esse possível plano com alegria, porque é mais um nicho a reabrir. Além do movimento dos salões dos hotéis, os eventos geram hospedagem. É um passo importante nessa retomada para caminharmos mais próximo à normalidade”, diz Régis Medeiros, presidente da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis no Ceará (ABIH-CE).
“Apesar de sabermos que será uma retomada lenta e gradual, seguiremos todo o faseamento e protocolos do governo. Precisamos trabalhar duro para retomar as atividades, pois o nosso setor não se recupera de imediato”, comenta Ivana Bezerra, presidente do Visite Ceará. De acordo com o secretário de turismo do Ceará, Arialdo Pinho, “temos 96% da economia aberta, funcionando com restrições. Eventos devem voltar com limites à aglomeração. Eventos de 20 mil, 30 mil pessoas ainda vão demorar um pouco”. Ele lembra que não há garantias sobre a realização do Réveillon de Fortaleza. As festas de Réveillon privadas, serão em formatos diferentes do usual, como lembra Ivana Bezerra. Ainda assim, ela projeta que a ocupação não deve passar dos 60%, bem aquém dos 96% alcançados historicamente.

Instituições de ensino podem ser liberadas a partir de setembro

Quanto às instituições de ensino, o secretário de saúde do Estado, Dr. Cabeto, indicou ontem que a volta às aulas presenciais poderá acontecer a partir de setembro, como já havia sinalizado o governador Camilo Santana no mês passado.
De acordo com ele, a proposta de faseamento terá percentuais de abertura e divisões para educação infantil e ensino universitário. “Vamos discutir o faseamento, quem fica em que fase. Isso começaria em setembro e caminharia até outubro e novembro. Ainda vai ser apresentada ao comitê”, explicou.
O Sindicato dos Estabelecimentos Particulares de Ensino do Ceará (Sinepe), defende que o retorno das aulas presenciais seja imediato e que os pais “tenham o direito de escolher se as aulas serão presenciais ou remotas”, uma vez que 180 das escolas fecharam. “As escolas adotaram diversos protocolos de higienização e distanciamento para a retomada e realizaram treinamentos com os funcionários para o retorno”, afirma o Sinepe, em nota.
Ainda de acordo com o secretário de saúde, existirão critérios de monitoramento e contenção de surtos. “A gente está colocando muito claro um protocolo de quando a escola tem que bloquear a sala, quando precisa ser fechada e até quando retroceder. Vai ser obrigatória a questão de testagem e isso será inegociável”, informou.

Bares
Ainda no aguardo da autorização de retomada, o setor de bares tem se adaptado de forma a garantir a reabertura. “Para sobreviverem, os bares que ainda não fecharam estão se transformando em restaurantes, adaptando seus cardápios e seguindo os protocolos de restaurantes: sem música ao vivo e sem aglomeração”, explica Taiene Righetto, diretor executivo da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes no Ceará (Abrasel-CE).

Deixe uma resposta

Compartilhe

VEJA OUTRAS NOTÍCIAS