Jornal Impresso

Hospital de Messejana se torna referência em Implante Percutâneo de Válvula Aórtica

Único centro cearense autorizado a realizar o procedimento, o HM recebeu aval do Ministério da Saúde. Procedimento permite implante de uma válvula cardíaca sem a necessidade de interrupção do funcionamento do coração

Catharina Queiroz
panorama@ootimista.com.br

(Foto: Nicolás Leiva)

O Hospital de Messejana Dr. Carlos Alberto Studart Gomes (HM), integrante da rede da Secretaria de Saúde do Ceará (Sesa) e reconhecido como centro de excelência em atendimento cardiovascular de alta complexidade, agora realiza Implante Percutâneo de Válvula Aórtica (TAVI) pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

A recente habilitação concedida pelo Ministério da Saúde, publicada no Diário Oficial da União (DOE) em 9 de abril de 2024, destaca o HM como o único centro no estado autorizado a realizar esse procedimento.

Breno Falcão, cardiologista intervencionista e coordenador do serviço de hemodinâmica do Hospital de Messejana, explica que o procedimento nada mais é do que a possibilidade de fazer o implante de uma válvula cardíaca através de um cateter, sem a necessidade de interrupção do funcionamento do coração e sem a abertura do tórax.

“O procedimento foi realizado pela primeira vez no mundo, em 2002, por um médico francês chamado Alan Cribier e nasceu diante da dificuldade do tratamento dos pacientes com estenose ótica. Cerca de um terço dos casos eram considerados muito perigosos ou de alto risco para cirurgia cardíaca convencional. Então, essa foi uma solução ideal”, afirma o especialista.

O TAVI é indicado para pacientes com estenose aórtica grave, especialmente aqueles com contraindicação para cirurgia convencional de peito aberto e com idade igual ou superior a 75 anos. A estenose aórtica, caracterizada pelo estreitamento da válvula aórtica, é uma condição que compromete o fluxo sanguíneo do coração para o resto do corpo, sendo suas principais causas o envelhecimento, a calcificação das válvulas cardíacas e defeitos congênitos.

O paciente sente cansaço, falta de ar, dores no peito e desmaios, além de haver possibilidade de morte súbita. Para Breno Falcão, a TAVI é um procedimento que revolucionou o tratamento de pacientes com estenose aórtica. “São pacientes de alta complexidade, que têm uma oportunidade de tratamento menos invasiva, com um tempo de internação reduzido, sem riscos de complicação e com uma recuperação bem mais rápida”, reforça.

O cardiologista esclarece ainda que o procedimento consiste na colocação de uma prótese na válvula aórtica. O implante percutâneo é realizado através de cateter puncionado na região da virilha do paciente. Esse cateter leva o dispositivo compactado até o coração e, uma vez confirmada a localização correta, sob a visão da ecocardiografia e de injeções de contraste, o dispositivo é então expandido e implantado, substituindo a válvula doente.

Segundo Breno, os pacientes estão chegando em idades cada vez mais avançadas, preservando a capacidade funcional. “Há uma expectativa de que esse tipo de procedimento cresça. Por exemplo, ano passado, nos Estados Unidos, foram realizados 100 mil procedimentos de TAVI. Então, a probabilidade é de que os números aqui do Brasil venham a crescer nos próximos anos, à medida que a população vai envelhecendo e que se viva mais”, reforça.

O projeto multiplataforma Ceará da Saúde é realizado pelo Grupo Otimista de Comunicação com apoio do Governo do Estado do Ceará.

Deixe uma resposta

Compartilhe

VEJA OUTRAS NOTÍCIAS