Jornal Impresso

Funcap apresenta nesta sexta (25) resultados preliminares de estudo cearense com lagostas

O evento poderá ser acompanhado pela página da Funcap no Youtube. A transmissão contará com a presença também do secretário Inácio Arruda, da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Educação Superior

Redação O Otimista
ootimista@ootimista.com.br

Foto: Gov.br

Acontece nesta sexta-feira (25), a partir das 16 horas, a apresentação dos resultados preliminares da pesquisa com populações de lagosta no litoral cearense.

Os dados do estudo, coordenado pelo professor Raúl Cruz – cientista-chefe de Pesca e Aquicultura da Fundação Cearense de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico (Funcap), vão mostrar os benefícios do período de defeso, pausa na pesca, de seis meses, a cada ano, para a produção da lagosta, um dos itens que compõem a pauta de exportações do Ceará, segundo o órgão.

O evento, que ocorre virtualmente, poderá ser acompanhado pela página da Funcap no Youtube. A transmissão contará com a presença do secretário Inácio Arruda, da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Educação Superior (Secitece), diretor de inovação da Funcap, Jorge Soares, professor Sílvio Carlos Ribeiro, secretário executivo do agronegócio da Secretaria do Desenvolvimento Econômico e Trabalho (Sedet), e Paulo de Tarso Gonçalves, diretor comercial da Compex Indústria e Comércio de Pesca e Exportação.

Constatações do estudo
De acordo com o coordenador da pesquisa, considerando os números de cada ano a partir de 2012, foi detectado que, em 2019, 90% da produção veio de exemplares capturados com idades de dois, três, quatro, cinco e seis anos que nasceram durante os períodos de defeso, o que mostra a sua importância para a atividade. “Entre 1990 e 2011 os níveis de biomassa estavam em aproximadamente 13%, por causa da sobrepesca.

As consequências dessa recuperação são muito boas para a atividade”, acrescenta o pesquisador. O defeso também trouxe crescimento, em toneladas, da produção de lagosta e tem potencial para aumentar o valor agregado do produto nas exportações. Para Cruz, o cenário vai possibilitar aumentar os rendimentos das empresas de pesca mesmo com um menor número absoluto de lagostas comercializadas.

 

Deixe uma resposta

Compartilhe

VEJA OUTRAS NOTÍCIAS