Jornal Impresso

Fortaleza passará a contar com Centro de Parto Normal em três Gonzaguinhas

Anúncio foi realizado durante entrega da Casa da Gestante. Segundo SMS, até o final deste ano, 30 novos postos de saúde serão entregues e 80, reformados, com expansão de 48% da cobertura das equipes da ESF, conforme a pasta

Danielber Noronha
danielber@ootimista.com.br

Casa da Gestante está instalada no Gonzaguinha de Messejana e em funcionamento (Foto: Beatriz Bley)

Fortaleza receberá três unidades do Centro de Parto Normal (CPN), nos Gonzaguinhas da Barra do Ceará, Messejana, ambas a serem entregues ainda este ano, e José Walter.

O anúncio foi realizado pelo prefeito Roberto Cláudio nesta quinta-feira (24), durante a entrega da Casa da Gestante, estrutura vinculada ao Gonzaguinha de Messejana.

“Até o final do ano, a gente entrega o Centro de Parto Normal deste Gonzaguinha, que já está quase pronto. E, na próxima semana, deveremos inaugurar outro no Gonzaguinha da Barra do Ceará”, estimou o gestor, citando que as futuras entregas fazem parte da estratégia de melhoramento da linha materno-infantil municipal.

Segundo o gestor, outra obra que dará robustez à linha de atendimento especializado é a construção do novo Gonzaguinha do José Walter. A intervenção, no entanto, não será entregue nos próximos meses. “A nova estrutura terá quase três vezes mais leitos que a capacidade atual”, adiantou.

Incluindo o CPN previsto para aumentar em quase 60% a capacidade instalada para partos na unidade, o equipamento contará com 154 leitos, centro cirúrgico, urgência obstétrica, internação conjunta, internação clínica e atuará na saúde materno-infantil e clínica médica, com leitos psicossociais, de acordo com a SMS.

Postos de saúde
O Posto de Saúde do bairro Cidade Jardim é outra obra que não será entregue neste ano, conforme Joana Maciel, titular da Secretaria de Saúde de Fortaleza (SMS). “As obras da saúde foram consideradas prioritárias e não pararam por conta da pandemia, mas estamos tendo dificuldades no que tange à importação de materiais [de construção].”

Conforme a também pediatra, a gestão atual irá encerrar o ano com 30 postos de saúde construídos e 80 reformados, resultando em uma expansão de 48% da cobertura das equipes da Estratégia Saúde da Família (ESF), que chegará a 70% em dezembro próximo. Em 2012, a cobertura girava em torno de 32%.

A rede municipal voltada para mães e bebês na Capital é composta pelos hospitais distritais Gonzaga Mota da Barra do Ceará, do José Walter e de Messejana, o Hospital Dra Zilda Arns Neumann (Hospital da Mulher) e Hospital Nossa Senhora da Conceição (HNSC), além do Hospital da Criança, entregue em agosto último.

O HNSC passou por expansão, com o incremento de 20% dos leitos da Unidade Neonatal de Cuidados, além de sala de PPP (pré-parto/parto/pós-parto), com ampliação de seis para dez leitos de berçário e ampliação de dois para doze leitos de observação das gestantes.

Atendimento intersetores
Na área obstétrica, foram revitalizados 18 leitos do Gonzaguinha de Messejana. O da Barra do Ceará também recebeu reforma da coberta e elétrica e um novo complexo de emergência do pronto atendimento. O Hospital da Mulher é referência no atendimento a mulheres, com 16 especialidades, entre elas obstetrícia, ginecologia e mastologia.

A unidade tem posto de coleta de leite humano, salas de pré-parto e parto normal, alojamento conjunto, berçário, Unidade de Tratamento Intensivo Neonatal, e leitos para clínica médica e ortopedia, segundo a SMS.

Segundo Joana, 18 Núcleos de Desenvolvimento Infantil e 13 Postos de Coleta de Leite Materno em nove postos, que continuam funcionando mesmo com a pandemia, compõem a rede intersetorial local de atendimento materno-infantil. “Até o momento, conseguimos coletar 300 litros de leite humano, que são destinados a UTIs [Unidades de Terapia Intensiva] onde estão os bebês de alto risco, o que melhora a sobrevida e diminui a mortalidade infantil”, reforçou Joana.

Deixe uma resposta

Compartilhe

VEJA OUTRAS NOTÍCIAS