Jornal Impresso

Covid ou convite? A conta chegou

Planeta terra, século 21. Conjunturas mundiais recriadas, seja através dos aspectos políticos, econômicos e sociais. As tecnologias avançaram e com isso a velocidade tomou rumo que foge a percepção humana. Podemos constatar que 80% de todos os dados surgidos na humanidade surgiram nos últimos 2 anos. O planeta está num ritmo alucinado, onde a competitividade e busca por resultados financeiros têm passado por cima de todos.

A inteligência artificial vem contribuindo em muitos aspectos para melhoria de condições humanas. A área da saúde é um bom exemplo. Algoritmos vêm desempenhando papel na pesquisa e nos estudos científicos de remédios e vacinas. O outro lado da moeda é que, infelizmente, as máquinas vêm tomando os lugares de muitos humanos nas empresas. A indústria automobilística um exemplo clássico, aonde em uma unidade fabril, a interferência humana é mínima e os robôs elaboram praticamente a execução de todo o processo produtivo.

E o que tudo isso tem a ver com a covid-19? Tudo! Estamos passando por um momento de convite compulsório para retomada do aprendizado humano e valorização do SER. A ambição humana destruiu todos os vínculos emocionais em nossas relações sociais. O poder e o dinheiro tornaram-se prioridade em nossas vidas, na tentativa não somente de utilizar a robótica e tecnologia para alcançar seus objetivos, mas transformar pessoas em máquinas.

Podemos observar que a solução e controle desta pandemia nos exige olhar para o outro por vários motivos. Por ser uma mutação nova, requer a união e compartilhamento de informações entre pesquisadores e cientistas do mundo inteiro. Trata-se de uma ameaça real para todos os seres humanos deste planeta, sem distinção de etnia, localização, posicionamento político ou poder econômico.

O isolamento social necessário para o momento mais radical do vírus podemos chamá-lo, também, de curso intensivo compulsório de convívio familiar.  Todo o cenário de pandemia nos fez lembrar que temos família. Voltamos a conversar com nossas esposas e maridos. Parar e assistir um bom filme com os filhos. Passamos a olhar com mais carinho e dar importância para aqueles que com a loucura da velocidade do mundo estavam em segundo plano, nossa família! O mundo mudou, vamos aproveitar essa oportunidade e evoluirmos juntos.

José da Silva Girão Júnior é professor de MBA em Gestão Comercial e Inteligência de Mercado da Faculdade CDL

Deixe uma resposta

Compartilhe

VEJA OUTRAS NOTÍCIAS