Economia

Transparência e sustentabilidade

Coluna Maiso Dias
maisodias@ootimista.com.br

Banco do Brasil, Bradesco, BRF, Cemig, Cielo, CPFL Energia, EDP, Eletrobras, Engie, Itaú Unibanco, Lojas
Renner, Natura, Petrobras e Suzano são as mais transparentes na divulgação de informações sobre sustentabilidade. A conclusão é de um estudo produzido pelo Observatório da Transparência, iniciativa do conselho consultivo no Brasil da Global Reporting Initiative (GRI), instituição dedicada ao desenvolvimento de padrões para relatórios de sustentabilidade.

Bancos x emissões

Há poucas semanas das conversações climáticas da CoP-26, marcadas para novembro em Glasgow, Escócia, os bancos ainda têm resistido em se comprometer com o plano estratégico para cortar emissões de gases-estufa a fim de alcançar uma meta líquida de emissões zero até 2050.

Representatividade trans

A médica Rachel Levine se tornou na terça-feira (19) a primeira pessoa trans a receber o grau de almirante quatro estrelas do Corpo de Serviço de Saúde Pública dos Estados Unidos. Ela já atua desde janeiro como secretária assistente de Saúde no governo Joe Biden. Esse é o mais alto título possível para carreiras uniformizadas.

Propósito como retenção de talentos

Pesquisa realizada pela consultoria global de comunicação Edelman com 7.000 pessoas de diversos países, incluindo o Brasil, mostra que propósito e impacto social são fatores-chave para a permanência dos funcionários nas empresas. Segundo o estudo, 74% dos brasileiros esperam poder gerar impacto social e afirmam ser fator decisivo para manter-se nos empregos.

Emissões atmosféricas

De acordo com relatório divulgado pela Generation Investment Management, empresas de capital aberto são responsáveis por 40% de todas as emissões de gases de efeito estufa (GEE) do planeta. O estudo mapeou as emissões de escopo um (que são diretas das operações das empresas), de escopo dois (referentes à compra de energia) e do escopo três (resultantes de toda a cadeia, incluindo fornecedores e clientes).

Investimento de impacto

De acordo com Haroldo Rodrigues, sócio Fundador da investidora in3 New B Capital S. A, cada vez mais investidores tradicionais buscam alinhar seus investimentos com valores pessoais para obter não apenas um retorno financeiro, mas também resultados que geram impacto social e/ou ambiental. Essa é a nova regra do jogo. O investimento de impacto busca identificar negócios e startups que fornecem soluções para as problemáticas socioambientais.

Deixe uma resposta

Compartilhe

VEJA OUTRAS NOTÍCIAS