Economia

Ceará avança em projetos de transição energética para fontes renováveis

Governo estadual criou o Ceará Verde, para apoiar o desenvolvimento científico-tecnológico associado à produção, processamento e utilização de energias renováveis. Hoje, Fiec lança o Centro de Excelência de Transição Energética, em parceria com grandes empresas

O plano estadual também busca incentivar a implantação de novos empreendimentos que produzam energia limpa (Foto: Edimar Soares)

Crisley Cavalcante
economia@ootimista.com.br

A fim de fortalecer a matriz energética de baixo carbono no Ceará, como instrumento de desenvolvimento social, econômico e ambiental, como parte do processo de mitigação dos efeitos das mudanças climáticas globais, o governo cearense instituiu o Plano Estadual de Transição Energética. Batizado de Ceará Verde, um dos objetivos do projeto é apoiar o desenvolvimento científico-tecnológico associado à produção, processamento e utilização de energias renováveis.

O plano também busca incentivar a implantação de novos empreendimentos que produzam energia limpa, o estabelecimento de um ambiente de negócios seguro e competitivo, bem como a redução da pobreza e geração de emprego e renda em território cearense.

Segundo o secretário do Desenvolvimento Econômico e Trabalho do Ceará (Sedet), Maia Júnior, o Estado caminha independentemente das ações federais, mas os avanços do plano dependem da liberação do marco regulatório do setor, em tramitação no Senado. “Estamos caminhando a passos largos, com grupos de investidores internacionais que desejam aportar recursos no Estado, mas estamos aguardando o marco regulatório, algo que trará mais segurança para os negócios”, diz.

Protagonismo

O programa fortalece o protagonismo do Ceará no mercado nacional, tanto nas energias eólicas e solar quanto na criação de projetos como o Hub de Hidrogênio Verde no Complexo do Pecém, contribuir para a descarbonização do planeta, um dos objetivos estipulados por diversos países até 2050.

Quanto à produção de hidrogênio verde, atualmente, já são 17 empresas com intenção de se instalar no Pecém para produzir esse tipo de energia. Os últimos dois memorandos de entendimento foram assinados pela governadora do Ceará, Isolda Cela, no último dia 29 de abril, com a empresa Nexway.

Na avaliação de Jurandir Picanço, consultor de energia da Federação das Indústrias do Ceará (Fiec), o Ceará Verde vem consolidar iniciativas que já começaram no Estado. “O plano dá uma diretriz para todas as atividades. Já existem programas para uso de energia solar fotovoltaica em escolas, por exemplo. A comissão vai detalhar essa programação que, por enquanto, só existe em linhas gerais. Iniciativas como essa fazem parte de um processo global, e o Ceará sai mais uma vez na frente em relação a outros estados brasileiros”, afirma.

O economista Célio Fernando acredita que o Ceará Verde, caso seja bem executado, começará a dar resultados daqui a 20 anos. “O futuro está caminhando para carros elétricos, carros híbridos e até carros à base de hidrogênio verde. É uma política pública compromissada, não é uma retórica. O Ceará já conversa com organismos internacionais para buscar financiamento e acompanhar os projetos que virão, mas é preciso criar um ambiente regulatório seguro”, observa.

Comissão

Para implementar o Ceará Verde, o Estado designou uma Comissão Especial, cujas atribuições são, entre outras, definir as ações e estabelecer metas; acompanhar os resultados da implementação e execução do programa; identificar e coordenar as demandas para o desenvolvimento do programa e revisar periodicamente as linhas de ação propostas para adequação às medidas regulatórias.

A comissão é formada por diferentes órgãos do Governo, como a Secretaria do Meio Ambiente (Sema), Secretaria da Ciência, Tecnologia e Educação Superior (Secitece) e Secretaria do Desenvolvimento Econômico e Trabalho (Sedet), além da Universidade Federal do Ceará (UFC), da Federação das Indústrias do Estado do Ceará (Fiec) e do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae).

Fiec lança Centro de Excelência de Transição Energética

A Federação das Indústrias do Estado do Ceará (Fiec), por meio do Sesi (Serviço Social da Indústria) e Senai (Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial), vai lançar hoje seu Centro de Excelência para Transição Energética, com o objetivo contribuir com a produção de energia limpa em território cearense. A iniciativa nasce no mesmo período em que o governo estadual institui o plano Ceará Verde.

A ideia é que o prédio do Sesi e Senai, localizado na Barra do Ceará, em Fortaleza, comporte as empresas parceiras: Aeris Energy, Maersk Training e GIZ (Agencia de Cooperação Alemã), em uma área total de 15 mil hectares.

Paulo André Holanda, diretor regional Senai e superintendente do Sesi no Ceará, explica que essas três grandes empresas estarão dentro do Centro de Excelência para Transição Energética para ofertar cursos na área de energia renovável e hidrogênio verde.

“Vai ser um momento muito importante dessa grande parceria que nós estamos firmando, e agora vamos formalizar os termos de cooperação com as empresas e apresentar a estrutura com maquete do local e distribuição dos cursos. Teremos um espaço físico onde terão laboratórios, equipamentos e salas de aulas para capacitações de cursos de qualificação profissional, técnico e de aperfeiçoamento na área de energia limpa”, afirma.

“A maior função da estrutura é contribuir para atração de novas empresas globais no que diz respeito à capacitação de mão de obra qualificada para o Hub de Hidrogênio Verde do Ceará, uma ferramenta importante que vai capacitar profissionais para atuar em outras diferentes área, como segurança do trabalho e saúde”, acrescenta.

Deixe uma resposta

Compartilhe

VEJA OUTRAS NOTÍCIAS