Colunista

Será nomeado um ministro “terrivelmente lulista”? – por Erivaldo Carvalho

Zanin foi escolhido por Lula / Antonio Cruz/Agência Brasil

Ninguém sabe responder à pergunta acima. O que existe, até agora, é a ideia fixa do presidente da República enviar à mais alta Corte do País o advogado que o defendeu na Lava Jato – o que seria o papel de qualquer outro advogado.

Na outra ponta, não faltam críticas à indicação de Cristiano Zanin para a vaga aberta com a aposentadoria de Ricardo Lewandowski. Ao fazê-lo por critérios puramente pessoais, Lula tritura os princípios republicanos. Faltou ao mandatário ouvir a casta jurídica do País.

Também não houve o chamado princípio da representatividade. Bem nascido, Zanin é homem, branco e de meia idade. Eis um dos problemas de autoridades que agem somente na base do “eu quero, eu posso, eu faço”.

Ao agir assim, o presidente da República, que voltou ao poder ancorado no discurso dos novos tempos, iguala-se ao seu antecessor – pelo menos no quesito indicação ao Supremo. Bolsonaro disse e cumpriu a nomeação de um ministro “terrivelmente evangélico”.

Isso nos leva à pergunta inicial. Escaldado, o presidente não quer ver repetido o filme protagonizado por Dias Toffoli e Joaquim Barbosa. Nomeada pelo petista, a dupla não cumpriu com a lealdade aguardada pelo lulopetismo.

Para seguirmos no bordão Estado Democrático de Direito, Brasil, esperemos que Zanin também não.

Planalto tem dificuldade em avançar sobre oposição

28% consideram petista ruim ou péssimo / Marcelo Camargo/Agência Brasil

A mais nova pesquisa da praça, feita pelo Ipec, aponta que o governo Lula é ótimo ou bom para 37% dos entrevistados. Outros 28% o consideram ruim ou péssimo. É gigantesco o desafio. Cinco meses depois da posse, o petista não conseguiu avançar sobre o eleitorado que não votou no PT, em 2022. E, dificilmente, conseguirá. Há nichos muito cristalizados, de difícil acesso, a exemplo das áreas do meio ambiente, cultura e de gênero.

O julgamento de Bolsonaro
Está marcado para o próximo dia 22 o julgamento do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) que pode deixá-lo inelegível. É o caso da reunião com embaixadores no Palácio da Alvorada. O PDT acusa o líder direitista de abuso de poder político e uso indevido dos meios de comunicação. A celeridade do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) é bom ou ruim? Bolsonaristas estão divididos. Uns consideram que quanto antes a fatura for paga, melhor. Outros pensam diferente. Mas em um ponto todos concordam: o ex-mandatário posará de perseguido.

Praia de Iracema
Está avançado o cronograma da Prefeitura de Fortaleza para reforma do calçadão da Praia de Iracema. Nos últimos dias, foi aberta mais uma frente de serviço. Iniciadas em abril deste ano, as obras vão contemplar a reforma de todo o passeio, criação de nova ciclovia, instalação de pequenas áreas de praças, paisagismo e nova iluminação.

Sustentabilidade
A Assembleia Legislativa do Ceará (Alece) promove a oficina “Gestão Pública Sustentável: elaboração de Plano de Logística Sustentável (PLS)”. O evento será ministrado por Danielle Abud, doutora em Gestão Sustentável. É destinado a gestores públicos, prefeitos e vereadores. Nesta segunda-feira (12), às 9h, no auditório Murilo Aguiar.

Justo, mas com consequências

Aramicy Pinto foi entrevistado na TV Otimista / Divulgação

O piso nacional da enfermagem – R$ 4.750 para enfermeiras e enfermeiros, R$ 3.325 para técnicos e R$ 2.375 para auxiliares e parteiras -, instituído por Brasília, é uma conquista justa da categoria, mas trará consequências danosas para os sistemas de saúde público e privado. A avaliação é do presidente da Associação dos Hospitais do Ceará, Aramicy Pinto. Em entrevista ao programa Política, da TV Otimista, o gestor hospitalar destacou as fortes diferenças regionais do País. Ele não descarta demissões, remanejamento de profissionais e impacto no preço dos planos. Aramicy também prevê o fechamento de pequenos estabelecimentos – principalmente no Interior.

Deixe uma resposta

Compartilhe

VEJA OUTRAS NOTÍCIAS