Colunista

Lula e as mulheres no governo – por Erivaldo Carvalho

Participação feminina vem sucumbindo ao pragmatismo / Ricardo Stuckert/PR

A Caixa Econômica Federal (CEF), presidida por Rita Serrano, deverá ser anexada ao feudo montado pelo centrão no governo Lula.

Na Semana da Independência, a medalhista olímpica Ana Moser entregou a cadeira no Esporte para o operador do grupo de pressão sobre o Planalto, André Fufuca (PP-MA) – posse deve acontecer nesta quarta-feira (13).

Semanas atrás, Celso Sabino (PA) foi para o lugar de Daniela Carneiro, no Turismo. Ainda: especulações dão conta de que a ministra do STF, Rosa Weber, será substituída por um homem.

A impressão é que as mulheres estão sendo sacrificadas. A foto da posse, de 1º de janeiro – um brado ao empoderamento feminino -, aos poucos vai sucumbindo ao pragmatismo.

Em meio ao visível e audível desgaste, governistas, além de citarem a necessária base aliada no Congresso, dizem que a mesma cobrança não era feita no governo de Jair Bolsonaro (PL).

Não houve e nem havia sentido para isso. Bolsonaro não foi eleito, em 2018, prometendo paridade de gênero. Pelo contrário. Mas, essa plataforma foi de Lula, no ano passado.

A prática de candidato ser eleito em cima de promessas graciosas e esquecer depois da posse tem nome e sobrenome: estelionato eleitoral. O que está acontecendo é, no mínimo, pecado do pregador.

O risco quando candidato e eleito não se comunicam

Frente democrática apoiou Lula / Fábio Rodrigues-Pozzebom/Agência Brasil

A cada vez menor presença de mulheres no governo Lula soma-se a outras contradições. Entre elas, estão a volta do orçamento secreto, loteamento político, fim da frente democrática e derrota da ala ambiental. São temas caros ao atual governo.

No conjunto, há um risco, quando candidato e eleito não se comunicam. O eleitor, com certa razão, pode passar a não mais apoiar, tão efusivamente, um governo que já não mais reconhece como seu.

O eleitor silencioso de Juazeiro
Por ser totalmente urbano, o eleitor de Juazeiro do Norte, no Cariri, sofre menos influência de estratégias eleitorais externas, vinculadas aos governos estadual e federal.

A avaliação, colhida pela Coluna do consultor político Luiz Cláudio Ferreira Barbosa, da LCFB Consultoria, estaria na base da aprovação de 58% da gestão do prefeito Glêdson Bezerra (Podemos).

Trata-se, diz o especialista, de um eleitor silencioso. O pré-candidato à reeleição tem 33% das intenções de voto, segundo pesquisa O Otimista/Real Time Big Data.

Videocast
Liderança feminina, autoestima, autonomia econômica e gestão de negócios são tópicos do videocast Programa Eu S/A Mulheres.

Para Haline Cordeiro, idealizadora do projeto, a ideia é trazer pessoas que apresentem, numa conversa leve, conteúdos relevantes. Nesta quarta-feira (13), no Museu da Fotografia (Varjota), a partir das 15h.

Camarão
A Associação dos Produtores de Camarão do Ceará (APCC) e a Associação Brasileira de Bares e Restaurantes – Abrasel-CE promovem a Semana do Pescado e a Quarta do Camarão.

Num evento para convidados, haverá um circuito entre Brewbarn, Casa Beá e Turatti Varjota. Saída do Pirata Bar. Nesta quarta-feira (13), a partir das 19h.

Bom exemplo indo e voltando

Frota da Capital terá ônibus elétricos / PMF/Divulgação

Aqui já foi dito que igual ou mais importante do que liderar processos e protocolos em prol de energias renováveis é dar o bom exemplo, na própria gestão.

Nesse sentido, a administração José Sarto (PDT) vai ficar bem na foto, quando concretizada a aquisição de quase duas dezenas de ônibus 100% elétricos, para o transporte público de Fortaleza. A proposta de operação de crédito, via BNDES, está na Câmara Municipal.

Esse é um primeiro grande passo. A Prefeitura pretende modernizar a frota da Capital, seguindo as diretrizes da Política Nacional de Mobilidade Urbana (PNMU).

Equipamentos municipais, na área educacional, já usam programas de eficiência energética.

 

Deixe uma resposta

Compartilhe

VEJA OUTRAS NOTÍCIAS